Escuridão por Rhaysa Kiltts

Bom dia queridos!

Hoje trago um dos meus poema, eu tinha outros vários, mas os perdi com o tempo, infelizmente. Este poema aqui comporá Nemo, não o escrevi para tal, mas acho que combinará com a temática, pois foi algo escrito em um momento bem sombrio de minha vida e calhou de bater com o enredo do romance.

Espero que gostem, pois trarei mais algumas novidades essa semana :) 

♥ Escuridão ♥

Na silente noite vago, sem rumo e sem aprumo
Caminho por caminhos escuros de estranha beleza
Ressuscitando meus demônios
Únicas companhias em minhas noites vazias
Caminho, como a mariposa em direção a luz
Conheço a morte,
Mas só vejo a beleza no brilhar da esperança
Onde poucos vêem beleza vejo a mais bela delas.
Na escuridão onde a bruma recobre o solo e a lua ilumina os enjeitados da luz
Vivo a caminhar, sem rumo e sem aprumo.
Apenas a esperar o momento em que a sinistra beleza já não me apetecer
E de mim nada restar a não ser um pobre e solitário coração sombrio
Que viverá a pulsar, mesmo que nada de mim restar.
Como que a implorar por atenção,
Definhando em sonhos e desejos nunca confessos.
Encobertos pela escuridão que me envolve
E que parece não querer sair de mim
Como raízes cravadas na terra.
Intocáveis.
Então caminho por aí, na esperança de um dia poder, enfim, encontrar esta ínfima luz que poderá arder em mim.

Rhaysa Kiltts.

Nenhum comentário

Postar um comentário