Conto: O DOCE BEIJO DA MORTE

Boa tarde queridos!

Faz tempo que não venho aqui né? Mas realmente não consegui mexer em muita coisa nos últimos meses então, tudo que eu informei que estava sendo trabalhado na verdade está parado, pois não consegui tempo para sentar e voltar a escrever com aquele afinco necessário. 

Porém, eu descobri o Wattpad e achei bem legal aproveitar o aplicativo para escrever curtos/longos contos a vocês. Assim eu não fico enferrujada, nem perco a inspiração... aliás inspiração essa que me possuiu hoje. Tive um sonho estranho na noite passada, na verdade um sonho que achei por deveras intrigante e resolvi adaptá-lo a vocês. Espero que gostem desse primeiro singelo trabalho.

Venham provar de... O Doce Beijo da Morte


Adele caminhava pelo caminho ladeado pelo bosque coberto pelas ressequidas folhas de outono. Era um velho trajeto, era o caminho que fazia todos os dias ao cair da noite, após seu enfadonho trabalho na biblioteca da cidade. Gostava de manter uma certa rotina em sua vida. Dificilmente algo poderia dar errado se já estivesse certo. Seus dias eram sempre meticulosamente programado para que nada pudesse dar errado. 
A inconstância e a volatilidade das pessoas a afastava de tudo e de todos. Vivia só em uma pequena casa no interior do bosque, praticamente escondida entre as trepadeiras, que depois do inverno rigoroso que estava por vir inundariam sua modesta casa com o aroma das muitas flores que há gerações, as mulheres da família haviam plantado e cuidado com zelo. Adele perdera a mãe há poucos anos e desde então vivia só na velha casa da família. Não se casara, pois nunca fora dotada de nenhuma beleza, e também não tinha um gato ou cachorro, pois sofria de uma forte alergia ao pelo das pobres criaturas. Tinha apenas como companhia os velhos livros e ele... Zéfirus.

Continue lendo no...

(para ir para o conto clique no logo)

Nenhum comentário

Postar um comentário